Projeto da ELO leva Ensino Superior aos Estabelecimentos Prisionais

custoias Reclusos vão ter acesso a cursos superiores em regime de eLearning, num projeto único em Portugal com a chancela da ELO. O protocolo entre a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais e a Universidade Aberta foi assinado no Estabelecimento Prisional do Porto (EPP), no passado mês de abril.

É um dos projetos de investigação da Linha 1 da ELO e conhece agora um novo desenvolvimento. Falamos do projeto “Educação a Distância e eLearning em Estabelecimentos Prisionais em Portugal”, coordenado pelo Professor Doutor António Moreira, diretor da Delegação Regional do Porto da Universidade Aberta e coordenador científico da ELO.

Com uma população estudantil em crescimento a frequentar um curso de ensino superior na Universidade Aberta, o projeto será agora formalizado com a assinatura de um protocolo. Anabela Pedroso, secretária de Estado da Justiça,marcou presença na assinatura desse protocolo, que foi assinado pelo reitor da Universidade Aberta, Professor Doutor Paulo Dias e pelo Diretor da Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), doutor Celso Manata, numa cerimónia que teve lugar no Estabelecimento Prisional do Porto (Custóias).

Com a concretização deste projeto, pela primeira vez no nosso País a população reclusa terá acesso ao ensino superior sem sair da prisão. Uma oportunidade que vai poupar recursos e permitirá adquirir formação superior através de uma plataforma virtual criada especificamente para este contexto.

Reclusos de todo o País vão poder aceder ao ensino superior, nomeadamente a licenciaturas e mestrados, sem sair dos estabelecimentos prisionais onde estão, tendo acesso a material de estudo e conteúdos, numa sala de aula virtual, em modo offline.