Projeto dos CLA apresentado em Congresso Internacional de Redes Sociais

Domingos Caeiro

É um exemplo único: uma Universidade, cujo modelo de ensino é completamente a distância, mas que mantém espaços físicos, ancorados no território nacional, incluindo ilhas (e ainda um espaço internacional) e que, ao fazê-lo, cria uma verdadeira rede de conhecimento.

A referência identifica a própria Universidade Aberta e o seu projeto de Centros Locais de Aprendizagem, a trabalhar em rede e será objeto de uma apresentação detalhada no 1º Congresso Internacional de Redes Sociais, que decorre hoje e amanhã na Universidade de Évora. Os objetivos deste Congresso, segundo a organização, passam por “congregar investigadores, técnicos e especialistas que desenvolvem a sua actividade no quadro das redes sociais, seja no seu estudo, seja no desenho e concretização de projetos de intervenção social e organizacional”.

Será precisamente nesta vertente, da intervenção social, que se enquadra o novo projeto dos CLA, apresentado oficialmente em outubro de 2016. Com uma comunicação intitulada “A Rede dos Centros Locais de Aprendizagem da Universidade Aberta ao serviço do desenvolvimento social e territorial em Portugal”, caberá a António Moreira, coordenador-executivo da UMCLA – Unidade de Desenvolvimento dos CLA, apresentar essa comunicação, em nome da equipa. No caso, será composta pelo próprio Professor António Moreira, que é também coordenador científico da ELO, pelo vice-Reitor da UAb, Professor Domingos Caeiro, coordenador-geral da UMCLA e pela sua vice-coordenadora executiva, Professora Susana Henriques.

“A Rede dos Centros Locais de Aprendizagem da UAb, no âmbito da sua missão de responsabilidade social e académica, funciona ao serviço do desenvolvimento social e territorial das populações garantindo-lhes um maior acesso à educação superior e reforçando a capacidade de investigação científica e de disseminação do conhecimento da UAb, em articulação com outras instituições, públicas e privadas”, defende o projeto dos CLA.

Na versão renovada, este modelo organizacional de cariz inovador está ligado às dinâmicas locais, num funcionamento em rede, que visa a inclusão sociocultural, profissional e educativa das populações afastadas dos grandes centros urbanos e apoia-se no trabalho concertado dos seus coordenadores com as instâncias centrais da UAb, como ficará demonstrado na comunicação prevista para hoje, dia 1, por volta das 16:15 horas, na Universidade de Évora.